Bactérias no celular: quem mais tem participado das suas conversas?

Amamos nossphone-fecal-bacteriaos smartphones! É um fato. Nosso cotidiano foi sendo pouco a pouco mudado por esses dispositivos e atualmente esquecer o celular em casa nos dá a sensação de que estaremos alienados pelo resto do dia. Tudo bem, eles são demais realmente… Acontece que, além do conforto de praticamente resolver nossa vida com ele, essa relação tão estreita que temos com o aparelhinho fez dele uma ameaça em potencial.

Ainda assim, calma! Não precisa jogar o seu querido fora ou perder o sono de preocupação. Vamos conversar sobre alguns cuidados  simples que podem ser muito bem vindos.

Primeiro, por que a preocupação?

Em 2011, os pesquisadores da London School of Hygiene & Tropical Medicine na Universidade de Londres, descobriram que um em cada seis aparelhos celulares estava contaminado com material fecal, provavelmente porque os seus donos não lavavam as mãos entre as idas ao banheiros e os toques no celular, o que mostra um dado sobre higiene pessoal bastante preocupante. Alias, cá entre nós e com toda a sinceridade, quem nunca, pelo menos uma vez,  jogou Candy Crush , usou o celular no banheiro atire o primeiro lenço umedecido, rs rs.

Enfim, entre os aparelhos analisados, alguns continham cepas (famílias) de bactérias até preocupantes, como a E. Coli,  por exemplo, que pode ser responsável por quadros de febre, vômitos e diarreias. A bactéria foi encontrada também nas mãos dos participantes do estudo mostrando que, apesar da maioria das pessoas afirmar que lava as mãos após usar o banheiro, a ciência mostrou o contrário. Que embaraçoso, né?

Basicamente, a lógica é a seguinte: se suas mãos estão sujas elas transferem essa “sujeira invisível”, ou seja, os microrganismos para TODAS as superfícies que tocar – celulares inclusive.

E aí, o que fazer?

Desde os tempos mais remotos, o conselho da nossa mãe de lavar as mãos continua sendo uma boa! É rápido, barato e extremamente eficaz. A água e sabão são perfeitos, mas o álcool gel também não deixa nada a desejar, muito pelo contrário!

Mas, e agora que o aparelho já virou um condomínio de micróbios?  Bem, um pano macio, levemente umedecido com uma solução antisséptica dá conta do recado, sem danificar o aparelho. Eu uso clorexidina alcoólica (fácil acesso pra mim porque estou no hospital), mas já usei também o álcool 70% e deu tudo super certo, meu IPhone continua lindo.

Além disso, um pouco de etiqueta no uso do celular também vai bem, não é, gente? Pensando um pouco nele como fonte de contaminação podemos tentar mudar alguns hábitos que de tão comuns, nem questionamos.

  1. Vá ao banheiro sem ele. Acredite, o mundo não vai acabar e você não vai ser o último a saber por conta disso.
  2. Não deixe o aparelho celular sobre a mesa enquanto faz as refeições. Além de ser um momento onde você deve estar relaxado, o mix comida + celular pode te causar bastante prejuizo, caso você fique mexendo nele enquanto come. De verdade.
  3. Não o coloque sobre sua cama ou debaixo do travesseiro. Consegue imaginar seu sapato com a sola virada pro seu lençol limpinho? Então…
  4. Lave as mãos após ir ao banheiro, trocar fraldas ou tocar em superfícies que podem estar contaminadas. E lave direitinho, com água e sabonete. Só agua não limpa, ok? Seque as mãos com toalhas secas ou descartáveis se estiver na rua.
  5. Não prepare refeições conversando no celular. Eca, eca, eca…
  6. Por ultimo, limpe seu aparelho sempre! Use lenços antissépticos ou álcool 70%.

 E o negócio é o seguinte: ele é nosso companheiro e a gente gosta dele, mas um pouco menos de intimidade vai nos fazer um bem enorme.

Mari Liborio, enfermeira, mestre em Ciências da Saúde e especialista em Controle de Infecção.