Doutor, não era melhor dar um antibiótico?

610antibioticsAntes de fazer essa pergunta para o seu médico, leia isso:

A RESISTÊNCIA A ANTIBIÓTICOS É UMA DAS MAIORES AMEAÇAS À SAÚDE PÚBLICA NO MUNDO.

A resistência aos antibióticos ocorre quando o medicamento “perde” a sua capacidade de eliminar a bactéria anteriormente sensível a ele. Dessa forma, o microrganismo passa a se multiplicar, indiferente a presença do antibiótico no corpo do paciente. Esse fenômeno ocorre por várias razões sendo a principal delas o uso inapropriado dos antibióticos.

Depois de anos de uso indevido, parte por conta de prescrições equivocadas e parte por conta da automedicação, vivemos um tempo onde algumas infecções bacterianas não podem ser tratadas. E o pior: na comunidade, não apenas nos hospitais.

Antibiótico só com receita!

O Brasil, desde 28 de novembro de 2010, exige retenção de receita para a venda de antibióticos. Isso foi um grande passo em favor da coletividade contrariando, inclusive, interesses comercias. Afinal, quem nunca comprou uma amoxicilina para uma dor de garganta sem receita médica?

Entretanto, para tudo dar certo, deve funcionar um conjunto de fatores: acesso garantido ao atendimento médico, diagnóstico correto, prescrição adequada e administração da dose certa, no horário certo e pelo tempo certo por parte do paciente.BACTER~1

Mas e nós no papel de consumidores e pacientes, o que devemos saber a respeito de resistência aos antibióticos?

  1. Antibióticos são medicamentos prescritos para tratar doenças causadas por bactérias. Parece simples de entender, mas uma doença viral tão comum quanto a gripe pode erroneamente ser tratada com antibióticos e, nesse caso, todo mundo sai perdendo.
  2. Os antibióticos são medicamentos poderosos para tratar as doenças causadas por bactérias, mas apenas se usados de maneira efetiva: a droga certa, na dose certa, no horário e pelo tempo certo. Resumindo: do jeitinho que o médico prescreveu. Tomar doses parciais de antibióticos irá selecionar bactérias mais resistentes exigindo tratamentos mais potentes.
  3. Os antibióticos são drogas bastante seguras e amplamente testadas antes de serem comercializadas, entretanto vale observar alguns cuidados:

– A sua efetividade pode ser alterada pela combinação com outras drogas. Informe seu médico sobre quais medicamentos faz uso.

– Apesar de seguros, podem causar reações alérgicas importantes, por isso fique alerta e procure o serviço de saúde caso sinta coceiras, vermelhidão ou outros sintomas sugestivos de alergia.

– O antibiótico atua sobre um grupo de bactérias especifico e geralmente não consegue diferenciar as boas das ruins, matando também aquelas que são necessárias para manter o equilíbrio em nosso organismo. Isso, trocando em miúdos, pode ser traduzido em diarreia, náuseas, infecções vaginais ou outros problemas do gênero.

– se você fizer uso de antibiótico sem necessidade você estará contribuindo para a resistência bacteriana no mundo. E o pior, e se você ficar doente os antibióticos deverão ser cada vez mais amplos para debelar sua infecção.

4. Mulheres: alguns antibióticos podem reduzir a eficácia de pílulas anticoncepcionais e, assim como outros medicamentos, podem alterar a saúde do seu bebê caso esteja grávida.

Agora, uma última consideração: Não é porque o seu médico não lhe prescreveu antibiótico que sua doença não inspira cuidados. Algumas doenças virais com repercussão potencialmente fatal não são tratadas com antimicrobianos, por exemplo, Influenza A H1N1 e dengue.

Mari Liborio, enfermeira, mestre em Ciências da Saúde e especialista em Controle de Infecção.