Frango: não lave e não tema!

não lave nao tema jpgCresci vendo minha mãe lavar o frango antes de prepará-lo. Claro, herdei o hábito sem pensar muito nas razões, afinal parecia mesmo legal dar um banho no frango antes de mandá-lo pra panela.

Mais de 15 anos depois de ser dona do meu próprio fogão, a constatação: lavar frango cru não faz sentido e só atrapalha! E aqui estão as razões:

 

 

 

Campylobacter e campilobacteriose

Campylobacter é uma bactéria capaz de causar infecção intestinal, assim como outras até mais conhecidas. Os sintomas comuns são diarreia (às vezes com sangue), dor, cansaço, febre, náusea e vômito, que aparecem de dois a cinco dias após a ingestão de alimentos contaminados. Em alguns casos pode haver graves sequelas da infecção, como a Síndrome de Guillain-Barré que afeta o Sistema Nervoso Periférico.

Onde e Por quê?

A bactéria Campylobacter costuma ser encontrada em produtos alimentícios crus de origem animal, tais como aves (frango, peru, etc.) e leite não pasteurizado, sendo responsável por um grande número de gastroenterites (infecções intestinais) em todo mundo. É um importante problema de saúde pública, mesmo que ignorado pela maior parte da população.

A falta de orientação e rigor nas boas práticas de manipulação de alimentos em estabelecimentos comerciais, e até na cozinha da nossa casa, faz com que a contaminação por Campylobacter seja uma realidade aqui e no resto do mundo.

Estudos mostram que 70% das pessoas que adoeceram de campilobacteriose (infecção por Campylobacter) ingeriram carnes de aves cruas ou mal cozida. Mas não só. A contaminação cruzada é uma realidade e por isso NÃO DEVEMOS LAVAR AS AVES.  Entenda.

Contaminação cruzada

A contaminação cruzada é possível quando, ao lavar o frango, os respingos de água no ambiente (pia, mãos, superfícies próximas) carregam e espalham a bactéria. Essas gotas, ao permanecerem nas proximidades, contaminam alimentos que serão ingeridos crus ou ainda, as mãos de quem manipulou o alimento, atingindo facilmente o trato digestivo.

Vale dizer que não é preciso uma família de Campylobacter muito grande para causar uma infecção…

Para encerrar o assunto, o frango permanece contaminado da mesma maneira, mesmo após a lavagem. Então, qual o propósito de lavar?

Chicken

“Não lave frango cru”. Campanha inglesa de prevenção de campylobacter

Previna-se de todas as maneiras

Além de não lavar as aves antes do cozimento, outras “boas práticas” nos protegem da campilobacteriose:

  • Mantenha aves sempre refrigeradas e cobertas

Armazene-as na prateleira baixa de maneira que não haja risco de contaminação de outros alimentos com líquidos provenientes da bandeja do frango.

  • Lave bem os utensílios utilizados para manipular a carne crua

De preferência tenha uma tábua de corte apenas para carnes e outra para alimentos que são consumidos crus.

  • Não coma aves mal cozidas

As bactérias podem permanecer viáveis em partes mal passadas da carne.

Tratamento

Como todo quadro de diarreia e vômito, o tratamento envolve necessariamente hidratação vigorosa, repouso e alimentação leve. Casos mais severos exigirão hidratação parenteral (soros) e o médico irá avaliar a necessidade de antibioticoterapia ou não.

Sempre procure um serviço de saúde quando:

  1. Não for capaz de manter líquidos e medicamentos no estômago
  2. Apresentar diarreia prolongada
  3. Sangue nas fezes ou vômito
  4. Desmaios
  5. Alterações neurológicas (convulsão, confusão, alteração na fala, sonolência)
  6. Sinais persistentes de desidratação (boca seca, ausência ou diminuição acentuada de urina)

Saiba mais:

Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

Assista: http://www.youtube.com/watch?v=KsX1GWA3eFw#t=108

Mari Liborio, enfermeira, mestre em Ciências da Saúde e especialista em Controle de Infecção.